a brasileira / la brasileña

“Esse gostoso requebrado da mulata
Tira o sossego de qualquer um cidadão
Esse jeitinho que ela tem é que me mata
Não há quem possa resistir à tentação

Quando ela passa sorridente na avenida
Toda faceira no seu modo de andar
A gente chega a esquecer a própria vida
Essa mulata é um caso a estudar

Quando ela samba na pontinha da chinela
Se requebrando no terreiro a noite inteira
É tão bonito minha gente salve ela
É coisa nossa é mulata brasileira.”

(Requebro da mulata, Itamar Assumpção)

Ese sabroso zarandeo de la mulata
Acaba con el sosiego de cualquier ciudadano
La forma de ser que tiene y que me mata
No hay quien pueda resistir la tentación.

Cuando ella pasa sonriente desfilando en la avenida
Toda contenta en su modo de andar
Llegamos a olvidar nuestra propia vida
Esa mulata es un caso a estudiar.

Cuando ella samba de puntillas
zarandeándose en el patio la noche entera
Es tan bonito que mi gente la alabe
Es cosa nuestra es mulata brasileña.”

(Zaranteo de la mulata, Itamar Assumpção)